História condensada de um episódio romântico na era digital

Cruzaram-se numa das ruas onde por acaso passavam todos os dias a caminho do trabalho. Ele subia de ônibus, ela descia a pé. Foram se ver só de noite, quando apareceram um para o outro no Tinder. Não tinham amigos em comum nem descrições detalhadas no perfil, mas curtiam o Catraca Livre e a mesma página de memes. Ela gostou da foto dele no exterior. Ele gostou da foto dela na praia.

Combinaram.

Conversando, descobriram que ambos trabalhavam no mesmo bairro, gostavam de viajar e ir ao cinema. Marcaram num bar para tomarem uma cerveja. Os dois atrasaram e se desculparam pela demora. Tomaram três cervejas, conversaram sobre as séries que assistiam e sobre os textos do Gregório Duvivier. Ele chamou ela para seu apartamento. Ela aceitou.

Transaram.

Para ele foi bom. Para ela não foi ruim. Trocaram números e foram se falar dois dias depois. Marcaram de ver uma série na casa dela. No meio do primeiro episódio já estavam transando. Ele continuou achando bom. Ela achou que melhorou. Conversaram nus na cama sobre a vida e outras coisas. Transaram de novo. No dia seguinte ela adicionou ele no Facebook. Ele aceitou. Passaram a curtir as fotos e postagens um do outro. Às vezes comentavam, às vezes não.

Passaram-se dois meses.

Saíam juntos quase todos os finais de semana para um bar, uma balada ou um Netflix. Transavam regularmente, mas só depois do episódio que estavam assistindo. Ela o apresentou às suas amigas. Ele a apresentou aos seus amigos. Quando perguntavam se estavam namorando, desviavam de assunto. Ele não queria admitir, mas sentia ciúmes dos comentários de outros homens nas selfies dela. Ela não queria admitir, mas já estava cansada do sexo meia-boca dele.

Decidiram terminar.

Pararam de se falar por um tempo, mas continuam amigos no Facebook. Ele ainda curte algumas fotos que ela posta. Ela ainda curte alguns posts políticos dele. Seguem passando pela mesma rua todos os dias, sem se ver. Duas semanas atrás se encontraram por acaso no Happn.

Não combinaram.

Anúncios

4 comentários sobre “História condensada de um episódio romântico na era digital

  1. Agarine Machado 17 de agosto de 2017 / 22:17

    É exatamente dessa maneira que acontece hoje em dia, não sei se concorda comigo, mas é o Romeu e Julieta moderno (ou seria Pós-Moderno? (Odeio essa nomenclatura)). No final desse conto, pensei comigo: “quem nunca?”. Afinal, quem nunca? Abraço!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s